• Nélia Duarte

Uma entrada muito bonita. Grata a todos os que trabalharam para que assim fosse.


O Centro Cultural de Lagos, junto ao pátio, é um espaço muito aprazível, tranquilo, onde se está bem. Esta foi a minha primeira impressão de um dia que foi, inteiramente, lá passado. Aconteceu ainda que tive a sorte de ter banda sonora de piano a duas mãos, durante ensaios para o espectáculo da noite no auditório. Para além de alguns contactos que estabeleci com desconhecidos, especialmente durante a manhã, foi muito agradável estar e conversar com os que, conhecendo, não via há imenso tempo. Conversa boa, risos fáceis, momentos felizes. Como se deseja e quer.

Talvez seja prematuro dizer que estou num processo de simplificação, tanto ao nível do traço como da composição cromática, mas reunido trabalho até 2022, e observando-o conjuntamente com a tela (que é a que está na foto) já de 2022 e outras posteriores, é o que me ocorre. E julgo que o que mais contribuiu para chegar aqui foi a insistência que fiz através do desenho. Estou animada de forte desejo (e até alguma urgência) de continuar processos e aprendizagens. Entre uma coisa e outra, se há tempo e posso pinto que é, afinal de contas, o que eu mais gosto de fazer. Últimos trabalhos, processos simplificados, traço e composição cromática. aqui | aqui | aqui

17 visualizações0 comentário
  • Nélia Duarte

A exposição «Entre paredes» reúne uma seleção de trabalho realizado entre 2020 e 2022, com exceção da pintura "sapatos amarelos" (2018). Pintado prematuramente, "sapatos amarelos" sugere uma narrativa de desconforto e expectativa que viria a ser vivida por muitos de nós nos últimos dois anos durante o confinamento social prolongado.

Opressivamente as paredes cercam e parecem mesmo abater-se sobre a figura feminina sentada que, ligeiramente curvada, deixa transparecer uma expressão de desânimo, ainda que a sua apresentação cuidada, glamorosa, nos possa sugerir que está preparada para uma saída desejada. A esperança que nela pressentimos é a que não deixámos, nem queremos deixar, de sentir. Entre paredes é um espaço privilegiado para a intimidade, um espaço preenchido de afetos, vivido de emoções, angústias e, também, da manifestação das nossas agressões.


Neste espaço, nestas paredes, estão algumas das muitas representações expressivas, ou narrativas de vida, que eu fui registando ao longo destes últimos dois anos como as pensei e senti. Esta é uma manifestação da minha existência; aqui e agora a comunicar convosco.

Obrigada,

Nélia Duarte






39 visualizações0 comentário
  • Nélia Duarte

O tempo nada mais permite do que rabiscar em diário gráfico. Tenho usado esferográficas, marcadores e de vez em quando um pouco de tinta que tapa coisas que saíram menos bem.

No desenho não há borracha. Há soluções de desenho. Uma linha errada quando corrigida a marcador pode dar um reverso interessante ou uma nova composição.

Por vezes eles param e miram o que eu faço, alguns apreciam, com aquele encanto breve e sincero deles, outros nem tanto. Já houve um que me disse que eu até desenhava melhor do que ele mas ele desenhava muito mal. Ri-me. Vou sentir saudades de os ouvir, de os observar, mas preciso de usar o meu tempo, o que resta do meu tempo, no que mais gosto de fazer. Dos muitos desenhos que tenho fiz mais uma animação na timeline do PS, misturando algum trabalho digital.




13 visualizações0 comentário