• Nélia Duarte

a riscar em pixels é mais suportável


Recentemente li o livro “o sentido do fim” do Julian Barnes. Ficou retida, e vou repetindo como acontece com aqueles ritmos musicais fáceis que não nos saem da cabeça (earworms), a simplicidade formal que ele dá ao desassossego dos meus dias: “vamo-nos safando, deixamos a vida acontecer-nos, acumulamos sucessivamente uma provisão de memórias.”  

Mas determinar e desenvolver a nossa própria vida talvez seja para muito poucos. Podemos todos até ter uns espasmos enganadores de vez em quando, mas em termos práticos vamo-nos safando deixando a vida acontecer-nos.

16, fev, 2019

21 visualizações

© Nélia Duarte  

Lagos, Algarve

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Grey YouTube Icon
  • Grey Vimeo Ícone

NÉLIA

DUARTE